Pelo direito de se permitir insistir

tumblr_lnawjo02qO1qk2w2mo1_500

 

“Vai passar”, eles disseram. Mas ninguém se lembrou de perguntar se eu queria que passasse. Ninguém se incomodou em procurar saber se eu realmente estava sofrendo assim como diziam. Se eu estava mesmo procurando por uma saída dessa situação como queriam que eu fizesse.

Estamos cercados de relações passageiras, é verdade. Será que alguém já parou pra se perguntar o porquê disso? Será que o problema não está mais perto do que imaginamos? Acontece que, ao mínimo sinal de dificuldade, o primeiro instinto é cair fora. Partir pra outra, desapegar, esquecer.

Sou extremamente a favor de desapegar de uma situação, relação, ou o que for que cause mal. Se faz mais mal que bem, já era. Sou meio fria por conta disso? Talvez. Mas isso também mostra outro lado. Não vou partir pra outra enquanto achar que ainda existem chances por aqui. Sinto essa necessidade de dar uma chance não ao outro, mas a mim mesma. Uma chance de, pelo menos uma vez, me arriscar, de fazer o meu máximo para que no fim eu saiba que fiz a minha parte e esgotei todas as minhas fichas.

Alguns acham que isso é prorrogar o sofrimento. Eu apenas acho que é não desperdiçar oportunidades simplesmente porque há uma pedra no meio do caminho. Pra fazer algo dar certo é preciso arriscar, não só esperar pela vontade do outro, afinal, não só de uma metade se faz um relacionamento. Acima de tudo, não existe relacionamento sem que haja a vontade de mergulhar no outro. De decifrar pensamentos, atitudes e, por que não, de ultrapassar dificuldades.

Relações passageiras são ótimas até certo ponto, mas o fato é que, eu particularmente cansei de coisas rasas. E sinceramente, não vejo mais problema algum em admitir isso.